InHouse Contact Center

Perfil do profissional do Contact Center

Contact Center: O perfil do profissional

Perfil do profissional do Contact Center

O mercado de serviços é um dos principais responsáveis pelo PIB nacional, sendo o setor de tele serviços um dos maiores empregadores do Brasil.

Este cenário traduz a importância das empresas de contact center para a economia nacional e para a geração de empregos formais, assumindo o papel de porta de entrada para jovens e profissionais sem experiência no mercado de trabalho.

Constantemente apontado como um setor de grande rotatividade de pessoal, a retenção do capital intelectual acaba se tornando um dos principais problemas enfrentados por empresas de contact center.

Este ponto de partida abre precedentes para aqueles candidatos que querem se diferenciar neste que, antes de tudo, não deve ser visto como um emprego temporário. As chances de crescimento no setor são reais e incentivadas pelas principais empresas de contact center no Brasil.

Com poucas exigências para ter no setor sua porta de entrada para o mercado de trabalho, a facilidade para lidar com pessoas acaba se tornando um grande diferencial entre os candidatos.

Aqueles que se interessam por cargos mais qualificados, muitas vezes são bem-sucedidos quando creditam ao setor mais que a sua oportunidade de primeiro emprego, mas também, sua oportunidade para crescer na empresa.

Conversamos com Junior Ribeiro, gerente de recursos humanos na InHouse, que nos contou um pouco sobre o perfil do profissional procurado e como o candidato pode se diferenciar no processo seletivo. Acompanhe:

Qual é o perfil do profissional procurado em empresas de contact center como a InHouse?

O setor de contact center é uma porta de entrada para o mercado de trabalho, o que gera uma significativa parcela de jovens em seu primeiro emprego.

Entretanto, tem sido constante o aumento de profissionais mais maduros e com uma experiência maior.

A atenção ao cliente requer como fundamento o diferencial de gostar de servir.

Um dos requisitos é o profissional possuir o segundo grau concluído ou superior em curso, não sendo obrigatório, mas a experiência mínima de 6 meses se torna diferencial nas seleções.

Outro fator observado, é a relação da distância do local de trabalho, pois o nosso segmento precisa que os profissionais sejam assíduos e comprometidos em suas jornadas laborativas, evitando atrasos por fatores externos como o trânsito excessivo, por exemplo, que, além de atrasar a chegada ao local de trabalho, pode desencadear em um nível de estresse elevado.

Televendas no Contact Center

É interessante desconstruir que o mercado de contact center é emprego temporário (cabide).

O mercado de contact center tem números expressivos de sua atividade, sendo responsável por 68% do PIB (Produto Interno Bruto) de serviços (fonte IBGE). Desta forma, as oportunidades são diversas nas empresas prestadoras de serviços do setor.

O profissional deve aumentar suas chances, valorizando o segmento, se aperfeiçoando e entendendo como são os demais processos e atividades do setor. Ingressar como atendente não significa ser atendente sempre.

O atendente que se atualiza, busca estudar os mais novos conceitos e estratégias de atendimento e busca, acima de tudo, a excelência de seu trabalho, sempre alcança lugares de destaque na empresa.

 

Como evitar índices negativos para a empresa

 

Compartilhe este post -->

Confira outros posts que podem te ajudar:

Fechar Menu